31 de agosto de 2011

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 10


Livro de Kathi Hudson - CPAD


Como Ser Bom Exemplo

Os filhos imitam seus pais. Todos nós já vimos o fenômeno das pequenas garotinhas de quatro ou cinco anos que repentinamente "precisam usar os mesmos penteados e as mesmas roupas" para que possam "ser como a mamãe". Ou o filho de sete anos que desmonta a enceradeira para "consertá-la como o papai faz". Imitar a mamãe e o papai é muito importante no desenvolvimento da criança. Isto habilita a menina a aprender ser mulher, ver o que faz uma esposa; conhecer como é ser mãe e cuidar da casa. Pequenos meninos, imitando seus pais, aprendem a ser um pai — "agir como homem", usando sua força, e como tratar as mulheres.
A imitação pode ser mais evidente nas crianças pequenas ao representarem os comportamentos paterno e materno ou (para a surpresa da mãe) realmente desejarem ajudar e aprender o ofício de dona de casa! Mas o processo continua durante o relacionamento de pai para filho. Garotos adolescentes tratarão suas namoradas com o mesmo respeito e modos (ou falta de ambos) que observem no tratamento de seu pai para com sua mãe. Uma adolescente pode imitar a meiguice de sua mãe ou seus flertes promíscuos. Eventualmente, nossos filhos desenvolverão o relacionamento matrimonial baseados, em parte, nas observações de nossos casamentos; até mesmo formarão opiniões sobre o estilo de vida adulto, a partir do que vêem em seus próprios pais.
É impossível enfatizar excessivamente a importância de sermos bons exemplos. As Escrituras enfatizam claramente este impacto e nos instrui neste sentido.

Que Tipo de Exemplo Eu Deveria Ser?
Na verdade, há dois tipos de exemplos: os daqueles que demonstram um estilo de vida cristão e os dos que não o fazem. Vemos o impacto do exemplo de paternidade negativa demonstrado nas Escrituras:
E Acazias, filho de Acabe, começou a reinar em Samaria, no ano dezessete de Josafá, rei de Judá; e reinou dois anos sobre Israel. 1 (1 Rs 22.52)
Antes, andaram após o propósito do seu coração e após os baalins como lhe ensinaram os seus pais. (Jr 9.14)
Também este (Acazias) andou nos caminhos da casa de Acabe, porque sua mãe era sua conselheira, para proceder impiamente. (2 Cr 22.3)

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 9


Livro de Kathi Hudson - CPAD

A Importância da Oração

As Escrituras ilustram claramente a importância da oração e o treinamento de nossos filhos em todas as situações. I )o fato, dois tipos de oração são de vital importância para assegurar o sucesso em nossos esforços e treinar nossos filhos nos caminhos do Senhor:
Orar por cada filho.
Dar exemplo de oração e devoção perante eles.

Orando por Seu Filho
Creio piamente na oração. Sei que ela é eficaz; tenho visto os resultados com meus próprios olhos, inúmeras vezes. Adoramos a um maravilhoso e miraculoso Deus que deseja estar ao nosso lado.
Assim, como seria possível ter um relacionamento com seu melhor amigo se você nunca conversasse e o ouvisse? É impossível termos um relacionamento com o Senhor sem o vital elemento da oração; nosso meio de comunicação com Deus. Posso assegurar-lhe, Ele realmente ouve e se importa conosco! Ele afirmou isto.
Sem restrição, a coisa mais importante que você pode fazer por seu filho é orar por ele. Deveríamos nos lembrar estas crianças não são totalmente nossas. Elas pertencem ao Senhor. O cuidado e treinamento destas preciosas crianças têm sido confiado a nós, seus pais — uma incrível responsabilidade! Mas são filhos Deus, e Ele está sempre cuidando deles.
Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos dei que os seus anjos nos céus sempre vêem a face de meu pai que está nos céus. (Mt 18.10, A Bíblia Viva)
Por isso, creio que precisamos devolver estas crianças Senhor, colocando-as em suas mãos através da oração, é muito mais capaz! Fico sossegada sabendo que está controle.
Você pode começar a orar por seu filho mesmo antes de ele nascer — mesmo antes de ser concebido! Enquanto escrevo este livro, estou grávida. Eu e meu marido temos orado por nosso filho desde que planejamos nos casar. Na verdade, venho orando por meus futuros filhos antes mesmo de conhecer meu marido! E tenho orado especificamente por esta criança desde o momento em que descobri que a estava carregando (é um menino).
Para que oramos? Bem, para o óbvio, é claro — a fim de que o bebê seja saudável. Mas oramos por muito mais. Já estamos dedicando este filho ao Senhor em nossos corações e o temos colocado em suas mãos. Oramos para que este filho aprenda a amar e obedecer, seguindo exemplo de Cristo. Oramos para termos sabedoria e energia, a fim de educar esta criança nos caminhos do Senhor e até mesmo pelo outro bebê que possa ter ou não nascido — aquele com quem nosso filho um dia se casará
Oramos para que os pais da outra criança sejam servos do Senhor e treinem a futura esposa de nosso bebê para amar e temer a Deus.
Você já ouviu o hino de Wayne Watson: Em algum lugar no mundo?

Eeeeeeeeuuuu...
Havia um sapo em um pântano que não estava satisfeito com o seu modo de ser. Olhava para o céu e invejava as aves, que voavam alegremente...
Como eu gostaria de voar suspirava.
Um dia, teve uma idéia brilhante. Chamou dois amigos pássaros e combinou com eles o seguinte:
Vou morder esse pedaço de árvore, e vocês seguram de um lado e do outro do galho. Quando vocês baterem as asas, voaremos juntos.
Os pássaros concordaram, e lá estava o sapo sobrevoando a floresta... Tudo parecia ir bem, quando os animais, embaixo, resolveram fazer comentários elogiosos acerca do que viam.
Que idéia extraordinária! Quem teve essa idéia? perguntavam. À medida que o sapo ouvia os comentários, enchia-se de orgu­lho. Não suportando mais, respondeu:
Eeeeeeeu! Buuum!
Dia desses estava dirigindo na ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro, quando um carro parou de repente à minha frente... Apesar do susto, pude ler num dos adesivos colados no pára-brisa do veículo uma frase muito interessante: "O sapo tem olho grande, mas vive na lama".

Extraído do livro ADOLESCENTES S/A - Ciro Sanches Ziborgui

30 de agosto de 2011

29 de agosto de 2011

NÃO HÁ LUGAR PARA O DIABO!



Ao converter-se a Cristo, um jovem passou a ter novos hábitos. Na escola, todos perceberam as mudan­ças, principalmente um professor que não cria na exis­tência de Deus e ouvira as explicações do rapaz sobre o plano de salvação em Jesus Cristo.
Querendo deixar o jovem confuso, pois percebera que agora ele só falava em Jesus, chamou-o para uma conversa:
Você está tão diferente nos últimos dias... O que há com você?
Ah, professor, Jesus é maravilhoso! Ele fez uma grande obra em minha vida...
Tudo bem, tudo bem... Não precisa me falar mais nada o professor o interrompeu. Eu só quero pedir-lhe uma tarefa. Pegue essa folha em branco e escreva de um lado tudo o que sabe sobre Jesus.
Claro, professor, com todo o prazer respon­deu o jovem, eufórico.
Calma retrucou o professor. Não acabou. Eu quero que você vire a folha e também escreva tudo o que sabe sobre o Diabo disse, em tom sarcástico, acreditando que confundiria o garoto.
Animado, o jovem foi para casa e, depois de orar, começou a escrever, tendo a Bíblia aberta ao lado: "Jesus é a única porta para a salvação (Jo 10.9). Ele é o caminho, a verdade, a vida (Jo 14.6). Ele é o único Mediador..." O seu entusiasmo em escrever sobre Jesus era tão grande que virou a folha e continuou a escrever sobre Ele...
Quando se deu conta, restava apenas um pequeno espaço na parte inferior de um dos lados da folha.
Ih, eu tinha de escrever sobre o Diabo! disse, pensando sobre o que responderia ao professor.
Sabe o que ele escreveu no espaço restante?
NÃO HÁ LUGAR PARA O DIABO!

Moral da história: não dê lugar ao Tentador (Ef 4.27; Pv 1.10). Ele sempre buscará oportunidades para derrotá-lo; resista-o com firme­za (1 Pe 5.8; Tg 4.7). Não permita que ele deixe o seu coração turba­do, mas peça ao Senhor Jesus que, a cada dia, o encha de paz, para que você seja um vencedor!

Extraído do livro ADOLESCENTES S/A - Ciro Sanches Ziborgui
"Vamos achar um tesouro naquela casa...
Mas não há nenhuma casa...
Então vamos construí-la." 

 Irmãos Marx

28 de agosto de 2011


Tipos Negativos de Liderança
Relações Públicas para líderes cristãos – Wagner Gaby – CPAD


  • Ditatorial: Sistema em que há um comando absoluto, indiscutível, sem a participação espontânea do grupo, a não ser em acatar ordens.
O ditador não se importa em saber o que seus subordinados pensam: as ordens devem ser cumpridas à risca. Em geral, o sistema leva o grupo à revolta ou a um estado de letargia.
Pessoas irritáveis, egoístas, brutais, etc, optam por esse sistema.
  • Laissez-faire: (francês - deixar fazer). Sistema em que, como o próprio nome indica, há uma passividade total pelo dirigente; não toma decisões, nem interessa saber o que o grupo resolveu.
Em geral, o dirigente é inseguro, com receio de assumir responsabilidades. É um oponente natural ao sistema ditatorial; enquanto esse decide e ordena aos seus subordinados, o tipo "laissez-faire", pela sua insegurança omite-se em mandar: deixa que cada integrante do grupo faça o que quiser.
Pela ausência de mando, gera-se a desorganização do grupo.
  • Chefe Maquiavélico: Lideranças onde a intriga é a arma usada. Há uma divisão no grupo, pela sistemática usada: ''cochichos",''diz-que-diz-que".
O lema desse tipo de líder é: "Dividir para reinar".
  • Chefe Vaidoso - o título de chefe é o mais importante. Não se interessa pelo grupo, a não ser pelo fato de ter subordinados em quem mandar. Gosta de ser bajulado e, em conseqüência, não consegue ser imparcial.
  • Chefe Instável: A instabilidade emocional lhe assegura um "modus operandi!" idêntico: a mudança de idéia faz com que transmita uma torrente de ordens. Muito difícil ao grupo concluir um só trabalho, visto que dá vários objetivos a serem alcançados.
  • Chefe Paternalista: Afigura-se a um sistema caseiro e, como o próprio nome indica, chefia em relacionamento de pai para filho. Usa a bondade em sentido lato.

27 de agosto de 2011

25 de agosto de 2011

Aprendendo com os erros do “filho pródigo”.

             Josué Gonçalves                                              
“Aquilo que os filhos não aprendem em casa, 
a vida se encarrega de ensiná-los, e, 
quase sempre, de forma dolorosa”.
Quais seriam os conselhos de um filho que saiu de casa e perdeu tudo?
É sempre melhor aprender com os erros dos outros do que errar para aprender. Até aqui, aprendemos muito com as virtudes do pai. Agora, vamos extrair algumas lições dos erros cometidos pelo “filho pródigo”. Se pudéssemos perguntar para esse filho, depois da sua dolorosa experiência: “Quais os conselhos que você daria para não passarmos por tudo o que você passou e nem sofrermos tudo o que você sofreu?” Certamente, ele nos conselhos imprescindíveis.

Primeiro - Cuidado com as suas decisões em tempo de crise
Para se tomar decisões relevantes na vida, o pior momento é quando estamos vivendo em tempo de crise.
Como disse no início, a crise pode tanto ser uma grande oportunidade de crescimento, como pode ser um tempo muito perigoso onde podemos nos perder. Eu experimentei um momento de grande crise na minha vida, provocada pela perda do meu pai, que morreu num acidente de automóvel, numa rodovia na cidade de Vinhedo, no Estado de São Paulo. Eu tinha apenas dezoito anos de idade, e ele estava com cinqüenta e um anos. Foi o fato que mais marcou-me  em toda a minha vida.
Assim que fiquei sabendo do ocorrido, a única coisa que eu me perguntava, era: “Como será a nossa vida daqui para frente?” Foi nesse tempo que eu ouvi de um pastor, que é muito amigo: “Josué, não toma nenhuma decisão, não venda, não troque, não compre, não negocie, não mude, não decida nada neste momento. Espere o coração se acalmar, não tenha pressa, pois este não é o melhor momento para você e sua família tomarem decisões importantes”.
O sábio Salomão escreveu: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu” (Ec 3.1).
Lembre-se: as suas decisões afetam aqueles que caminham, viajam e convivem com você.

20 de agosto de 2011

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 8


Livro de Kathi Hudson - CPAD


Seção IV.
Treinando Seu Filho

Como Treinar Seu Filho com Sucesso

Agora que já avaliamos nossa posição e definimos nosso objetivo (o sucesso), estamos prontos para iniciar o verdadeiro processo de treinamento.
Todos nós estamos familiarizados com Provérbios 22.6.
Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele.
Lembra-se do conceito do piloto automático sobre o qual discutimos no primeiro capítulo? Bem, este é o propósito do treinamento. Através dos vários componentes do treinamento, estaremos direcionando nossos filhos para o sucesso — instilando-lhes o caráter cristão que os habilitará a tomar decisões corretas e automaticamente responderem às situações da vida de maneira agradável ao Senhor. Estaremos também colocando nossos filhos no piloto automático, dando-lhes a melhor chance possível para fazerem boas escolhas e decidirem servir ao Senhor.
Precisamos nos lembrar constantemente de que cada filho possui uma personalidade diferente, e todos têm a liberdade de escolher ou não seguir ao Senhor. Alguns passarão por um período de exploração do "outro lado" da vi antes de se comprometerem firmemente. Porém, a Bíblia promete que se os treinarmos no caminho do Senhor, quando forem velhos não se apartarão dele. Eventualmente,; seus caracteres estiverem enraizados na justiça, eles encontrarão o caminho de volta às raízes de sua fé.

Transformando o Conceito em Plano
Somos com freqüência exortados a treinar nossos filhe mas raramente recebemos as instruções precisas sobre cor fazer isto. Certamente, não há ''uma fórmula mágica" para treiná-los. O que é adequado para você pode diferir de métodos preferidos pelos outros. Porém, os componente; básicos são os mesmos; e, uma vez que são extraídos dos princípios bíblicos, podemos estar certos de que realmente funcionam! O restante deste livro enfocará estes principie e oferecerá idéias práticas sobre como desenvolvê-los na lares. Estou certa de que você terá outras excelentes idéia Você pode estar pensando: "Parece complicado. Qual duração disto?" Bem, não vou mentir. Você não pode sentar e treinar seu filho durante o jantar, ou mesmo em um só dia intensivamente. Com certeza, o treino requer mais do que isto — desde o nascimento — até que a criança alcance a maturidade!
Cada pai está treinando seu filho, quer perceba ou não. Alguns estão treinando nos caminhos do Senhor, outros no caminho do mundo. Mas, o treinamento mais efetivo é esforço consciente e bem planejado.
Todos nós esperamos que nossos filhos imitem apenas nossas atitudes corretas, e não os nossos erros. Como pais somos famosos por querermos resultados ensinando:! "Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço". Infelizmente, o treinamento não funciona desta forma.
As crianças costumam nos imitar como realmente somos; assim, precisamos modelar-nos ao tipo de pessoa cristã que desejamos ver em nossos filhos. Bom treinamento é o regime baseado em um plano; não um esforço ocasional que acontece quando estamos inspirados. Ensinar nossos filhos (o que dizemos) pode ocorrer esporadicamente ou ser agendado. Mas o treinamento (o que fazemos) (" constante e contínuo. Esta é uma diferença-chave entre ensino e treinamento; o primeiro é apenas um componente do segundo. O treinamento envolve pelo menos cinco elementos importantes:
Oração.
Exemplo.
Ensino.
Encorajamento.
Disciplina.
Note que eles são ativos. Ao trabalharmos neste livro, estaremos desenvolvendo maneiras de implementar cada uma dessas importantes áreas de ação. Os componentes lambem atuam em conjunto. Por exemplo, enquanto oro por meu filho diariamente e faço períodos devocionais com o Senhor para me certificar de que minha atitude e foco estão de acordo com a sua vontade, estou também dando o exemplo desta atividade para meu filho. Minha própria atitude ilustrará a prioridade por mim estabelecida, ou seja, passar alguns momentos com o Senhor. Posso também usar o que tenho aprendido em meus devocionais, para compartilhar as verdades bíblicas com meus filhos, oferecendo-lhes encorajamento através do testemunho de como Deus tem respondido às minhas orações.

19 de agosto de 2011

"Há mais pessoas
que desistem
do que pessoas que fracassam."
Henry Ford

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 7


Livro de Kathi Hudson - CPAD


Requisitos para o Sucesso

Se eu pedisse ao seu filho para citar cinco pessoas de sucesso, quem seriam os escolhidos? Talvez ele mencionasse o nome do presidente do Brasil, um atleta renomado, ou quem sabe, um cantor famoso. Quer gostemos ou não, nossos filhos olham para as figuras públicas (as quais observam desde cedo na televisão) como modelos.
O que representam estas figuras públicas? A imagem de sucesso do mundo. Enquanto alguns modelos podem ser boas pessoas, a maioria deles não é o que consideraríamos apropriados heróis a quem nossos filhos deveriam tentar imitar.
Ao treinarmos nossos filhos a ver o sucesso de um ponto de vista cristão e, ao tentarmos modelar um estilo de vida de sucesso da melhor maneira que podemos, estamos ajudando nossos filhos a formar uma visão mais realística e eterna sobre o sucesso. Falar sobre heróis que tiveram sucesso aos olhos de Deus ajuda a modelar nossos filhos.
Algumas escolhas excelentes incluem: Jesus, Paulo, José, Ezequias, Daniel, Jó ou Sadraque, Mesaque e Abdenego (os três jovens homens que foram salvos da fornalha de fogo)! apenas citando alguns.
A Bíblia nos dá exemplos claros e específicos que ilustram porque algumas pessoas foram bem-sucedidas, enquanto outras não. Examinemos esta questão um pouco mais detalhadamente e tiremos dela sabedoria para nossos filhos — condições específicas para o sucesso e obstáculos acautelar-se.

Obstáculos para o Sucesso
Antes de olharmos as receitas específicas para o sucesso! observemos algumas precauções. E importante ajudarmos nossos filhos a compreender que eles precisam guardar-se nestas áreas, se querem ser bem-sucedidos.
Descrença é um obstáculo para o sucesso. O sucesso ocorre quando cremos no Senhor, temos fé em seu poder soberano e obedecemos a sua Palavra. Sem acreditar, a pessoa não pode ter fé ou qualquer razão para crer.
Entretanto, a promessa continua, e alguns entraram; mas não aqueles que tiveram a primeira oportunidade, pois desobedeceram a Deus não conseguiram entrar. Mas Ele fixou outra ocasião para se entrar e esta ocasião é agora. Ele anunciou isto por meio do Rei Davi, muitos anos depois do primeiro fracasso do homem na tentativa de entrar, dizendo nas palavras já citadas: Hoje, quando vocês o ouvirem chamar, não endureçam o coração contra Ele. (Hb 4.6,7, A Bíblia Viva)
Satanás é outro empecilho para o sucesso. Ele persiste em tentar nos fazer pecar, tentando lançar dúvidas desencorajar-nos através da perseguição.
Estou muito bem familiarizada com este tipo de perseguição. Em nosso ministério dirigido a pais cristãos e professores de escolas públicas para crianças (Cidadãos para a Excelência em Educação), somos caluniados, perseguidos, 'odiados, ridicularizados e escarnecidos a todo momento pelos estabelecimentos de educação não-cristãos, simplesmente porque se sentem preteridos por Deus. Se eu não tivesse fé no Senhor e em seu poder para vencer, já teria desistido há muito tempo. Mas eu tenho fé e, por muitas vezes, tenho visto o Senhor triunfar contra as hostes terrenas! Lembre-se, Ele (Cristo) que está em nós, é maior do que ele (Satanás) que está no mundo! (1 Jo 4.4)
A preguiça ou falta de ação é outro impedimento para o sucesso.

Os Dez Mandamentos das Relações Humanas


Extraido do livro Relações Públicas para líderes cristãos – Wagner Gaby – CPAD

I - FALE com as pessoas. Nada há tão agradável e animado quanto uma palavra de saudação, particularmente hoje em dia quando precisamos mais de "sorrisos amáveis".

II - SORRIA para as pessoas. Lembre-se de que acionamos 72 músculos para franzir a testa e somente 14 para sorrir.

III- CHAME as pessoas pelo nome. A música mais suave para muitos ainda é ouvir o seu próprio nome.
IV - SEJA amigo prestativo. Se você quiser ter amigos, seja amigo.

V - SEJA cordial. Fale e aja com toda a sinceridade! Tudo o que você fizer, faça-o com todo o prazer.

VI - INTERESSE-SE sinceramente pelos outros. Lembre-se de que você sabe o que sabe, porém você não sabe o que os outros sabem. Seja sinceramente interessado pelos outros.

VII - SEJA generoso ao elogiar, cauteloso ao criticar. Os líderes elogiam. Sabem encorajar, dar confiança, e elevar os outros.

VIII - SAIBA considerar os sentimentos dos outros. Existem três lados numa controvérsia: o seu, o da outra pessoa, e o lado de quem está certo.

IX - PREOCUPE-SE com a opinião dos outros. Três comportamentos de um verdadeiro Líder: ouça, aprenda e saiba elogiar.

X - PROCURE apresentar um excelente serviço. O que realmente vale em nossa vida é aquilo que fazemos para os outros. ("Exercícios Práticos de Dinâmica de Grupo e de Relações Humanas", 4º volume, 3ª edição, página 7 - Silvino José Fritzen.)

MELHOR CONHECIMENTO DE SI PRÓPRIO GERA MELHOR CONHECIMENTO DOS OUTROS!

18 de agosto de 2011

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 6


Livro de Kathi Hudson - CPAD

O que É Sucesso?

Se eu lhe pedisse para descrever uma pessoa de sucesso, quais seriam suas palavras? Qual seria sua definirão? Se eu fizesse esta pergunta para vinte pessoas, obteria pelo menos quinze respostas diferentes. Todos nós temos uma visão própria do seu significado.
Embora a palavra signifique diferentes coisas para pessoas variadas, é de vital importância que cada um de nós examine nossa visão de sucesso e suas influências sobre nossas vidas, pois elas são responsáveis pela formação do tal ponto de vista. Nosso objetivo de sucesso é baseado em diversas dicas verbais recebidas através da vida: televisão, livros, nossos pais, amigos e parentes, personalidades famosas, igreja, Bíblia, professores, nossa cultura e ainda todos aqueles filtrados por nossa vontade, desejo e valores, os quais formarão nossa própria visão de sucesso.
O sucesso é um dos conceitos mais consistentes em nossa cultura, pois cada um de nós anseia alcançar o seu ideal. Qual é o propósito da vida, senão o êxito? Você já conheceu alguém que desejava ser um fracasso na vida?
Eu fui criada em Orange County, Califórnia, onde u,j cesso é medido primordialmente em riqueza, poder e imagem. De fato, Orange County é uma das capitais yuppies do país, onde a pessoa bem conceituada dirige uma Mercedes ou um BMW enquanto fala ao telefone de seu carro f marcar um almoço importante. Apenas para registrar, minha família nunca possuiu estas coisas; éramos uma família feliz de classe média. Porém, cresci rodeada por uma forte afirmação cultural que iguala o sucesso a uma poderosa e opulenta imagem.

Carinho não custa caro...


Havia uma pequena aldeia onde não existia dinheiro. Tudo o que as pessoas precisavam para viver feliz elas obtinham trocando CARINHO umas com as outras, simbolizado por um floquinho de algodão.

Era comum as pessoas darem seus floquinhos sem querer nada em troca, pois sabiam que receberiam outros num outro momento, outro dia.

Uma bruxa, que vivia fora da aldeia, convenceu um garoto a não mais dar seus floquinhos. Desta forma ele seria a pessoa mais rica da cidade e teria tudo o que quisesse. Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar seus floquinhos e em pouquíssimo tempo sua casa estava repleta deles, ficando até difícil de se mexer ali.

Quando se deu conta, a cidade já não tinha mais CARINHO. E em seu lugar apareceram coisas ruins como a GANÂNCIA, ROUBO, ÓDIO, XINGAMENTO, INDIFERENÇA.

O menino foi o primeiro a sentir-se TRISTE e SOZINHO e foi procurar a velha para dizer-lhe umas boas, mas não a encontrou. Disposto a reparar o mal, pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos nela e caminhou pela cidade disposto a distribuí-lo graciosamente a todos. Mas as pessoas não recebiam CARINHO a tanto tempo que o olhavam com DESCONFIANÇA.

Por fim, conseguiu distribuir todos eles, mas não recebeu nenhum de volta e ficou um dúvida se tinha feito a coisa certa. Foi quando a ESPERANÇA apareceu e disse-lhe que continuasse até que todos voltassem a se lembrar da importância de dar e receber CARINHO. Ao que ele respondeu: - Não tenho mais CARINHO para dar, minha carriola está vazia.

Tem sim, disse-lhe a ESPERANÇA, sua carriola pode estar vazia, mas seu coração, com certeza, está cheio.

- É verdade, disse o menino, já não me sinto mais triste e sozinho, que mistério é esse?

- Ao distribuir CARINHO, você estava semeando uma boa semente, e todos o que semeiam uma semente tão boa como esta, certamente colherão em abundância.
Créditos: Site do pastor

Frase do dia...



"Costumo voltar
atrás, sim;
não tenho compromisso
com o erro."

Juscelino Kubitscheck

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 5


Livro de Kathi Hudson - CPAD

SEÇÃO III
Definindo o Objetivo

História de Dois Homens

O Primeiro Homem: Era uma vez uma criança nascida cm um lar cristão. Mesmo antes do bebê, chamado João, ler nascido, Deus tinha uma importante missão para sua vida. Logo depois de crescido, João fez algo ímpar, mudou-se para o deserto. Ele não parecia ser civilizado; assemelhava-se mais a um homem selvagem das montanhas ou um hippie, vestindo roupas feitas de pêlo de camelo e cinto de couro, além de comer alimentos estranhos: mel silvestre o gafanhotos. Este homem tinha uma dura mensagem a pregar. Ele mandava que o povo se arrependesse de seus pecados e falava de um Messias que viria para salvá-lo. Muitos pessoas riam-se dele e o ridicularizavam. Mas João não permitiu que o intimidassem, pois sabia que falava a verdade e seu propósito era anunciar a iminente chegada de Jesus. Ele obedeceu a Deus apesar da perseguição e, por causa desta obediência, muitas pessoas o ouviam; acreditavam na verdade em que contava e eram batizadas.
Nesta época, havia um rei chamado Herodes. Ele casou-se com a esposa de seu irmão, Herodias. João teve a coragem de dizer-lhes que o casamento deles era imoral aos olhos de Deus, por isso foi preso e eventualmente! decapitado.
O Segundo Homem: Era uma vez, muito antes do tempo de João, um outro bebê recém-nascido, chamado Saul. Ele nasceu com muitas vantagens e era muito rico (seu pai era um homem opulento e influente da tribo de Benjamim). Sai foi denominado o "homem mais bonito de Israel" (na linguagem de hoje), pois era grande e musculoso. Ele foi criado para ser um homem poderoso, e Deus o escolheu para ser o primeiro rei de Israel.
Deus concedeu a Saul muitas oportunidades, e quando Saul lhe obedecia era abençoado e conquistava outros exércitos. Porém, Saul era impulsivo e gostava de tomar a frente com seus próprios planos sem esperar por Deus. Algumas vezes, ele literalmente lhe desobedeceu.
Devido à desobediência de Saul, Deus decidiu fazer de Davi rei em seu lugar. Ele implorou por perdão, mas era muito tarde, e Davi tornou-se o novo rei. Saul não aceitou este fato como sendo um plano de Deus, ao contrário, ficou extremamente ciumento e planejou matar Davi, porém não era capaz de fazê-lo. Assim, sem saber como proceder, pediu conselho a uma feiticeira. Finalmente, Saul morreu por sua própria mão no campo de batalha.

A Moral das Duas Histórias
Qual destes dois homens obteve sucesso? Imagine-os vivendo no mundo de hoje e suas histórias acontecendo agora. Do ponto de vista mundano, João Batista seria visto como um fanático religioso, totalmente louco. De fato, infelizmente, mesmo diversos cristãos de nossos dias pensariam em João como uma pessoa extremada e com um parafuso a menos.
Por outro lado, Saul seria uma pessoa de sucesso aos olhos do mundo. Ele era rei e possuía tudo: aparência, dinheiro, poder e influência. Na verdade, muitos veriam Davi como vilão — o intruso — e sentiriam pena da"má sorte" de Saul.
Como você veria estes homens, caso lesse suas histórias nos jornais? Qual dentre eles seu filho consideraria um sucesso?

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 4


Livro de Kathi Hudson - CPAD


Nossa Identidade em Cristo

Antes de iniciar o processo de treinamento ou estabelecer nossos objetivos, precisamos determinar nossa condição atual. Como observamos anteriormente, uma família bem-sucedida possui uma vida de sucesso — positiva, fiel n Deus e correta. Cada cristão cresce progressivamente e torna-se mais parecido com Cristo à medida em que continua a aprender da Palavra, aplicando-a em sua vida. Nosso estilo de vida e o fruto que produzimos mostram ao mundo que somos cristãos.
Como pais, nossa própria identidade em Cristo é de vital importância. Se quisermos educar nossos filhos com sucesso, fiéis ao Senhor, precisamos modelar tal comportamento em nós mesmos.
O justo anda na sua sinceridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele. (Pv 20.7)
Podemos começar a influenciar nossos filhos para Cristo, antes mesmo que eles tenham nascido — através do nosso próprio desenvolvimento, de acordo com os padrões d santidade. Quem sou fala mais alto que minhas palavras Minha vida e meu estilo de vida serão a mensagem recebida por meus filhos. Assim, preciso decidir que mensagem desejo ser. Pessoalmente, quero comprometer minha vida totalmente com o Senhor e obedecer suas instruções, vivendo em sua vontade.
Nunca farei isto perfeitamente. Não importa o quanto tente, posso apenas tornar-me mais parecido com Cristo amoldar-me à sua imagem de perfeição; entretanto, nunca serei exatamente como Cristo nesta vida, pois somente EL é perfeito. Porém, tentarei continuar desenvolvendo a santidade, cultivando as qualidades citadas neste livro que caracterizam as famílias felizes.
Enquanto trabalhamos para o nosso próprio desenvolvimento, podemos também auxiliar nossos filhos a desenvolver sua imagem em Cristo. Sem esta fundamental compreensão de quem somos, não podemos ser uma família cristã de sucesso, pois é Cristo quem nos habilita a servi-lo com êxito, e -realização de nosso relacionamento com Deus nos motiva obedecer.
Perceber quem é Deus e o que fez por nós, oferecendo Jesus Cristo como sacrifício por nossos pecados, a fim d que pudéssemos ter a vida eterna; dá-nos fé para obedece e desejar sermos imagem de Cristo. Quando queremos sei um exemplo cristão para nossos filhos e desejamos que eles desenvolvam este caráter, estamos no caminho certo para sermos moldados pelo Espírito Santo.
Como podemos permitir que o Espírito Santo trabalhe em nossas vidas? Como sabemos que está trabalhando?

Conhecendo que Somos Salvos
Somos todos seres humanos pecadores. Romanos 3.23 diz? "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus." Não há como chegarmos ao Céu através de nossos próprios atos. Por causa do grande amor de Deus por nós Rm 5.8; Jo 3.16) e sua imensurável graça (favor não merecido), Ele enviou seu único filho, Jesus cristo, para morrer na cruz por nossos pecados e ressuscitar após três dias.
Agora, porém, Deus nos mostrou um caminho diferente para o céu - não pelo fato de sermos "bonzinhos" e procurarmos guardar suas leis, mas um novo caminho (ainda que não seja tão novo realmente, pois as Escrituras falaram dEle há muito tempo). Agora Deus diz que nos declarará "sem culpa" — se confiarmos que Jesus Cristo pode remir nossos pecados. E todos nós podemos ser salvos deste mesmo modo, vindo a Cristo, não importa o que somos ou temos sido. Sim, todos pecaram; todos fracassaram e não puderam alcançar o glorioso ideal de Deus; no entanto, Deus nos declara agora "sem culpa" das ofensas que Lhe fizemos, se confiarmos em Jesus Cristo, aquele que em sua bondade tira os nossos pecados gratuitamente. (Rm 3.22-24, A Bíblia Viva)
Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. (Rm 10.13)
A conseqüência natural do pecado é a morte (Rm 6.23), mas através da graça de Deus somos salvos, confessando nossos pecados ao Senhor e nos arrependendo deles (determinados a não repeti-los mais). Se cremos e confessamos que Jesus Cristo morreu por nossos pecados e ressuscitou para dar-nos vida, então seremos salvos.
Se, com tua boca, confessares ao Senhor Jesus e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. (Rm 10.9,10)
Quando somos salvos, o Espírito Santo trabalha em nossas vidas, nos ajudando a moldarmo-nos à imagem de Cristo ao invés de à imagem do mundo.
1 João 2.3-6, A Bíblia Viva diz:
E como podemos ter certeza de que pertencemos a Ele? Olhando para dentro de nós mesmos: estamos realmente procurando fazer o que Ele quer que façamos? Alguém poderá dizer: "Eu sou cristão ou estou no caminho do céu, eu pertenço a Cristo". Mas se não fizer o que Cristo lhes manda, é um mentiroso. Mas aqueles que fazem o que Cristo lhes manda, aprenderão a amar a Deus cada vez mais Esta é a maneira de saber se você é ou não é um cristão. Qualquer um que diga que é cristão deve viver como Cristo viveu.
É sempre possível conhecer o caráter de alguém pelo seu bom comportamento, até mesmo uma criança. (Pv 20.11, A Bíblia Viva)
Seu modo de viver demonstrará se você é ou não um cristão. Seus filhos observarão suas atitudes e comportamentos, identificando seu caráter em Cristo; eles formarão uma noção certa ou errada, baseados em seu exemplo. Esta é uma grande responsabilidade. Como podemos ter certeza de que continuaremos a crescer e viver nEle?
A vós também, que noutro tempo éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo, vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, para, perante ele, vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis, se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura quedebaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro. (Cl 1.21-23)
Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele, arraigados e edificados nele e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, crescendo em ação de graças. Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo principado e potestade; no qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo da carne: a circuncisão de Cristo. (Cl 2.6-10)
Precisamos manter fortalecida a nossa fé e não sermos Iludidos por falsas filosofias do mundo. Nós cristãos precisamos basear nosso saber e comportamento na Palavra de Deus, estar enraizados, fortalecidos em Jesus Cristo e conhecer que, através de sua morte, fez-nos santos para Deus.
Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento. (Rm 12.1,2)
Quando salvos, já não pertencemos mais ao mundo; somos transformados pelo Espírito Santo, e então, ao andarmos na caminhada de fé, nosso caráter está continuamente sendo refinado por Ele. Quando temos a convicção de que Deus nos ensina, podemos avaliar o que diz o mundo, e o Espírito Santo nos ajudará a discernir o certo do errado.

16 de agosto de 2011

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 3

Livro de Kathi Hudson - CPAD

                                   Sintonizando para o Sucesso

Você já esteve em uma sala de aula onde os alunos trabalhassem silenciosamente em um problema de matemática, pedindo ajuda ao professor, caso necessitassem? Ou em grupos, construindo um projeto de ciências? Quando entro em uma sala de aula com um ambiente como este, sinto um bem-estar interior. Pode-se sentir o aprendizado sendo absorvido.
Contraste estas cenas com suas lembranças de infância; do dia em que sua classe teve um professor substituto. Muitos professores substitutos mantêm um ambiente bem-sucedido em sala de aula, porém os alunos costumam fazer o possível para dificultar as coisas. Lembra-se? Ao chegar um professor substituto, os alunos tomavam aquilo como um "dia de folga", o dia em que poderiam bagunçar impunemente. Às vezes, a classe ficava sem qualquer controle — gritos e falatórios caóticos, bolinhas de papel voadoras, aviõezinhos de papel, guerra de água no bebedouro — pense na cena. Lembra-se daqueles dias tormentosos ao pobre professor substituto?
Poderia haver qualquer aprendizado em meio a tamanho caos? Impossível! Que contraste com o ambiente da primeira classe descrita! Podemos ver o tremendo impacto | que a sintonia das crianças, ajustada pelo professor, exerce sobre a qualidade do aprendizado e como será o sucesso destes alunos.
Há uma grande semelhança entre os lares e as salas de aula. Os pais são os professores, e seus descendentes, os alunos, vivem a experiência de aprendizado chamada vida. Como líderes do lar, os pais ajustam o tom. Cada lar é adequado aos estilos de vida, personalidades e necessidades dos membros da família. Na Bíblia, encontramos algumas pautas para nosso ambiente familiar.
E agora, esta palavra a cada um: vocês devem ser como uma grande família feliz, cheio de simpatia uns pelos outros, amando-se uns aos outros, com corações ternos e mentes humildes. Não paguem mal por mal. Não retribuam àqueles que dizem coisas desairosas sobre vocês. Em vez disso, orem para que Deus ajude os tais, pois devemos ser bondosos para com os outros, e Deus nos abençoará por isso. (1 Pe 3.8,9, A Bíblia Viva)
Pedro menciona vários elementos presentes em uma família feliz — elementos que criam um ambiente de sucesso doméstico:
Simpatia: o Dicionário Aurélio define como "tendência ou inclinação que reúne duas ou mais pessoas. Faculdade de compartilhar as alegrias ou tristezas de outrem: expressões de simpatia. Interesse em atender às pretensões de alguém".
Corações ternos ou delicadeza e ternura sem barreiras.
Mentes humildes: pensem nas necessidades e desejos dos outros antes mesmo dos seus, sem orgulho; mas de maneira servil.
Não paguem mal com mal, por males causados a vocês.
Não retribuam, quando ocorrerem grosserias ou crueldades.
Orem para que Deus os ajude, mesmo quando a pessoa ferir seus sentimentos ou causar-lhe mal.
Sejam bondosos para com os outros, então Deus os abençoará!

15 de agosto de 2011

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 2


Livro de Kathi Hudson - CPAD

Seção II - Firmando as Bases

Noite Familiar: Trazendo-a para Casa


Este livro é destinado especialmente a proporcionar uma prática e descontraída forma de comunicação, abrangendo ensino e treinamento para seus filhos. E claro que precisamos praticar estes três elementos de paternidade — comunicação, ensino e treinamento — diariamente, a cada momento de nossas vidas. Porém, é importante designar uma noite semanal, para que nela possa ser enfocado o crescimento familiar e o treinamento de nossos filhos. Precisamos estabelecer um tempo para efetuarmos esta tarefa.
O estilo de vida cristão é um processo contínuo, constante e diário durante o período de treinamento de nossos filhos. Este é o motivo pelo qual é importante e útil reservarmos um momento específico das manhãs de domingo quando nos reunimos para crescermos como igreja. Da mesma forma, podemos usar nossas Noites Familiares semanais para nos unirmos e crescermos como família. A antecipação semanal de tal evento nos ajuda a manter o nosso foco.
Enquanto crescia, eu sempre ansiava pela nossa Noite Familiar. Era um momento especial para discussão, oração e aprendizado — e momentos felizes compartilhados juntos. Eu sempre soube que não importava quão agitadas fossem as coisas durante o resto da semana, segunda-feira à noite (a verdadeira noite costumava variar com o tempo) era o momento descontraído e de paz, quando desfrutávamos a atenção completa e sem divisões de nossos pais.
Agora eu, meu irmão e minha irmã somos adultos e estamos muito juntos como uma família. Realmente, creio que isto se deve em grande parte à ênfase que meus pais deram à nossa Noite Familiar. Algumas de minhas memórias favoritas são as nossas Noites Familiares.
Passarei este legado para meus próprios filhos, e você também pode fazer o mesmo! É fácil fazer isto, e o resultado é tremendo! Comprometimento é o único requisito, para que seja reservada uma noite por semana, quando toda a família tenha como prioridade estar unida.
Neste capítulo, serão explicados os benefícios e a natureza prática provindos do estabelecimento da Noite Familiar. Então, nos capítulos que se sucedem, você encontrará a parte denominada "Trazendo-a para Casa". As questões para discussão e os estudos das Escrituras neles contidos objetivam a inclusão no formato genérico da Noite Familiar que você encontrará neste capítulo. Você pode desejar selecionar uma atividade para entretenimento da família que seja condizente à lição, mas qualquer atividade que promova a união familiar é apropriada.

Por que Estabelecer a Noite Familiar?

Criando os filhos no caminho de Deus – parte 1


Livro de Kathi Hudson - CPAD

O Plano Infalível

Colocando Seus Filhos no Piloto Automático


Quando um aluno do colegial convidar seu filho para tomar uma cerveja após a aula, como você gostará que ele responda? Quando um amigo tentar convencer seu filho a colar na prova, como ele ou ela reagirá? Quando um rapaz mais velho tentar seduzir sua filha, o que ela dirá? Caso seu filho da quarta série encontre dez reais jogados no pátio, o que fará?
Se você for como eu, e a maioria dos pais cristãos, está muito preocupado com estas respostas. Todos nós gostamos de pensar que nossos filhos responderão apropriadamente, baseados nos padrões de Deus sobre o certo e o errado. Mas, como podemos estar certos sobre o caráter de nossos filhos, quando eles não estão por perto? Não seria maravilhoso se pudéssemos colocá-los no piloto automático para que automaticamente respondessem à tentação do pecado de maneira cristã?
Como pais, podemos estar certos de que nossos filhos terão sucesso e que nossos esforços serão bem-sucedidos, se nos guiarmos pelo plano do Senhor para instruí-los no caminho que devem andar (leia Pv 22.6). Lembre-se, este versículo tem uma promessa. Se instruo meu filho no caminho em que deve andar, Deus diz que "até quando envelhecer, não se desviará dele". Isto significa que a criança nunca fará uma escolha errada? Não. Significa que ela nunca cometerá pecado? Não. Infelizmente, todos nascemos com uma natureza pecaminosa, e nenhum de nós jamais alcançará a perfeição através de nossos próprios esforços, não importa o quanto tentemos. Porém, esta promessa de Deus significa que deslizes juvenis e enganos não extrairão o melhor do meu filho. Se ele for adequadamente instruído para ter um caráter cristão, quando velho guardará a sua fé.
Todos nós gostaríamos de assegurar que nossos filhos guardarão esta promessa, e a primeira parte do versículo nos impõe a condição — como pais, precisamos instruir nossos filhos corretamente. Quanto mais nos empenharmos em treinar nossos filhos, mais reto será o caminho trilhado por eles em direção à vontade de Deus.
Podemos colocar nossos filhos no piloto automático, através do treinamento e ensinamentos adequados para que tomem decisões cristãs, comuniquem-se conosco e sejam fiéis ao Senhor.
Não é suficiente conhecer o desejo de Deus para nossas vidas, e quem Ele quer que sejamos. Precisamos praticar (treinar) o que Ele nos ensina até que nos tornemos quem somos. Este é o processo para desenvolvermos nosso próprio caráter — caráter que determina quem somos quando não há qualquer pessoa ao nosso redor. Podemos utilizar este mesmo processo para desenvolver o caráter de nossos filhos — caráter que determinará suas respostas automáticas.

A Diferença entre Treinamento e Ensino


14 de agosto de 2011

Vida e costumes dos povos bíblicos


(cap. 9 do livro "A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS deAntonio Gilberto - CPAD)

A vida, com seus usos, leis e costumes, difere de povo para povo, isso modernamente. Imagine-se como não estão distantes os costumes antigos orientais tão citados na Bíblia! Esses fatos, quando não compreendidos hoje, são tidos como aberrações. A Bíblia cita inúmeras leis, preceitos, coisas e costumes do modo de viver oriental, que se o estudante desconhecer suas causas, razões, e modo de ser, não compreenderá muita coisa da revelação divina, já que tais fatos estão entretecidos no corpo do relato bíblico. Quem quer que se ocupe da leitura e estudo do Santo Livro estará sempre se deparando com essa dificuldade.
Vamos destacar alguns casos dos acima mencionados, e estudá-los resumidamente, já que um elementar curso de Introdução Bíblica não comporta o exame demorado da matéria em questão.
1.  Gênesis 24.2; 47.29-31
O juramento com a mão sob a coxa. Significava então submissão, obediência irrestrita. Por isso Deus tocou a coxa de Jacó! (Gn 32.24-32). Realmente, dali para a frente Jacó tornou-se um homem de Deus. Até seu nome foi mudado!

13 de agosto de 2011

10- A TRIUNFANTE PROVIDÊNCIA DE DEUS NA VIDA DE UM HOMEM


(Gn 49.22; 50.20; At 7.846)

Se Deus nos ama, por que sofremos? Por que coisas boas acontecem a pessoas más e por que coisas más acontecem a pessoas boas? Por que pessoas cujos pés são formosos têm de pisar estradas crivadas de espinhos e aqueles que semeiam a violência pisam tapetes aveludados?
A doutrina da providência divina nos mostra que Deus é soberano e que Ele está no controle absoluto de todas as coisas. Deus não desperdiça sofrimento na vida de seus filhos. As provas pelas quais passamos são inevitáveis, variadas, passageiras e pedagógicas, mas todas elas são trabalhadas por Deus para nosso bem final.
Nosso Deus ainda continua transformando vales em mananciais, desertos em pomares, noites escuras em manhãs cheias de luz, vidas esmagadas pelo sofrimento em troféus de Sua generosa graça.
A vida de José do Egito, filho de Jacó, é uma das mais lindas histórias da Bíblia. Ele foi um homem fiel a seus pais, a seus superiores e a Deus. Ele foi fiel na adversidade e na prosperidade. Ele viu Deus transformar suas tragédias em triunfo. Ele foi o mais próximo tipo de Cristo na Bíblia:
1) Amado pelo pai e invejado pelos irmãos.
2) Vendido por vinte moedas de prata.
3) Desceu ao Egito em tempos de prova.
4) Perseguido injustamente. 5) Abandonado pelo amigo.
6) Exaltado depois da aflição.
7) Salvador de seu povo.
A vida de José nos ensina algumas lições preciosas.

A presença de Deus conosco (At 7.9)
Deus não nos livra dos problemas, mas está conosco em meio ao problemas (At 7.9). Destaco aqui alguns pontos importantes:

10 de agosto de 2011

9-QUANDO DEUS É O SENHOR DE NOSSOS SONHOS

José era um jovem sonhador. Seus sonhos o mantiveram com os olhos no alvo e o sustentaram nos tempos de crise. Ele sonhou com os feixes se inclinando diante do dele e com o Sol, a Lua e as estrelas se encurvando diante dele. Seus sonhos geraram inveja no coração de seus irmãos (Gn 37.11), e eles já não falavam mais pacificamente com ele (Gn 37.4). A predileção do pai e a imaturidade de José em contar a seus irmãos os seus sonhos causaram-lhe muitos problemas. Mas, mais tarde, Deus transformou aquilo que aparentemente era uma tragédia em grande bênção. A vida de José nos ensina grandes e práticas lições, como veremos:

Um jovem disposto a honrar o pai
José levava Deus a sério e demonstrava isso honrando seu pai. Sua mãe morrera ao dar à luz Benjamim, seu irmão. José foi amado pelo pai e cresceu bebendo o leite genuíno da verdade e sugando o néctar da piedade. Suas virtudes denunciavam os pecados de seus irmãos; sua luz apontava as trevas em que viviam; sua prontidão em obedecer ao pai de todo o coração apontava para a maldade deles. O sucesso de José era o fracasso deles. Eles não viam José como um irmão e amigo, mas como um concorrente. Eles não olhavam para ele com benevolência, mas como um rival que deviam afastar do caminho.
A vida de José é um outdoor a comunicar-nos a mensagem altissonante de que vale a pena honrar os pais. É o primeiro mandamento com promessa. Por outro lado, o filho que desobedece aos pais e os desonra é maldito, pois o pecado da rebeldia é como o pecado da feitiçaria. José se dispôs a obedecer a seu pai, indo ao encontro de seus irmãos, mesmo sabendo que eles não falavam mais com ele (Gn 37.13). José se esforçou para obedecer, o que prova que ele obedeceu de todo o seu coração (Gn 37.14-17).

Um jovem disposto a guardar seu coração da mágoa
Não podemos administrar as circunstâncias que nos cerram mas podemos administrar nossos sentimentos. Não podemos administrar o que as pessoas fazem contra nós, mas podemos decidir como vamos reagir a essas ações. José es¬colheu guardar seu coração da mágoa. Ele escolheu viver na dependência de Deus. Ele escolheu ser guiado pelos seus sonhos. José sofreu não porque estava errado, mas porque estava certo. Ele não sofreu por causa de seus pecados, mas por causa de suas virtudes. Ele sofreu não porque pegou os atalhos da desobediência, mas porque seguiu a estrada da obediência. Que tipo de sofrimento ele enfrentou?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Filme: Uma razão para cantar